Debate entre Chaikhul-Islaam Ibn Taymiyyah e os cristãos sobre a alegada divindade de Jesus

Em nome de Allah, O Clemente, O Misericordioso

إِنَّ الْحَمْدَ لِلَّهِ نَحْمَدُهُ وَنَسْتَعِينُهُ ونستغفره ونعوذ بالله من شرورأنفسنا ومن سيئات أعمالنا وَأَشْهَدُ أَنْ لَا إِلَهَ إِلَّا اللَّهُ وَحْدَهُ لَا شَرِيكَ لَهُ وَأَشْهَدُ أَنَّ مُحَمَّدًا عَبْدُهُ وَرَسُولُهُ أَمَّا بَعْدُ

Veramente todos os Louvores são para Allah, nós O louvamos, e a Ele pedimos ajuda, e a Ele pedimos perdão;

Pedimos a proteção de Allah contra o mal de nós mesmos, e o mal das nossas ações;

E testemunho que não há outra divindade com o direito de ser adorada excepto Allah, e testemunho que Muhammad ﷺ (que os Elogios e a Paz de Allah estejam sobre ele) é o servo e o Mensageiro de Allah.

Quanto ao que se segue:

Chaikhul-Islaam Ibn Taymiyyah رحمه الله (que Allah tenha misericórdia para com ele) debateu alguns cristãos sobre a alegada divindade de Jesusعليه السلام (que a Paz de Allah esteja sobre ele).

Chaikhul-Islaam رحمه الله disse:

“Eu disse àqueles [dentre o grupo de cristãos] que vieram até mim e me falaram em relação a algo desse argumento:

Se vocês assemelham a criatura [como Jesus] aos raios do sol e ao fogo e O Criador ao fogo e ao sol, então não há diferença entre Jesus e os outros [nesse sentido]. Pois tudo além de Allah – sob esse argumento – é como raios e luz. Então qual é a diferença entre o Messias e Abraão e Moisés? Em vez disso, qual é a diferença entre ele e todas as outras criaturas, nessa ordem de ideias?

Eu continuava a repetir esse discurso para eles, e no encontro havia um grupo [dos cristãos] do qual um deles entendeu bem isso.

Tornou-se claro para ele e para os presentes [no encontro] que a declaração deles é fútil (isto é, algo com aspecto enganador), não tendo realidade. Aquilo que eles atribuem ao Messias, ou é algo impossível para todas as pessoas ou é algo compartilhado entre o Messias e os outros. Sobre qualquer uma das duas considerações, especificar o Messias [com a divindade] é fútil.

Mencionei a eles que não há sinal (milagre) com o qual o Messias عليه السلام veio, excepto que Moisés عليه السلام veio com um milagre ainda maior. Para o Messias عليه السلام, mesmo que ele fizesse ressuscitar os mortos [com a permissão de Allah], então os mortos que Allah fez ressuscitar pelas mãos de Moisés é algo ainda mais grandioso, como aqueles que disseram [da declaração de Allah – O Altíssimo]:

وَاِذۡ قُلۡتُمۡ يٰمُوۡسٰى لَنۡ نُّؤۡمِنَ لَـكَ حَتّٰى نَرَى اللّٰهَ جَهۡرَةً فَاَخَذَتۡكُمُ الصّٰعِقَةُ وَاَنۡتُمۡ تَنۡظُرُوۡنَ

“E (lembrem-se) quando vocês disseram: ‘Ó Muusaa (Moisés)! Nunca acreditaremos em ti até vermos Allah claramente.’ Mas vocês foram tomados por um raio enquanto olhavam.”

[Suurat-ul-Baqarah: 55]

Então, Ele – O Altíssimo – os fez ressuscitar após a morte, como Ele disse:

ثُمَّ بَعَثۡنٰكُمۡ مِّنۡۢ بَعۡدِ مَوۡتِكُمۡ لَعَلَّکُمۡ تَشۡكُرُوۡنَ

“Depois, vos fizemos ressuscitar após a vossa morte, que talvez se tornem dos agradecidos.”

[Suurat-ul-Baqarah: 56]

Da mesma forma,  o ressuscitamento daquele que foi açoitado com o pedaço da vaca [que os israelitas foram comandados a sacrificar]:

فَقُلۡنَا اضۡرِبُوۡهُ بِبَعۡضِهَا ​ؕ كَذٰلِكَ يُحۡىِ اللّٰهُ الۡمَوۡتٰى ۙ وَيُرِيۡکُمۡ اٰيٰتِهٖ لَعَلَّكُمۡ تَعۡقِلُوۡنَ

“Então dissemos: ‘Batam nele (o morto) com um pedaço (da vaca)’. Assim, Allah dá vida aos mortos e vos mostra as Suas Ayaat (provas, evidências, versículos, lições, sinais, revelações etc.) para que talvez vós raciocineis (isto é, entendam).”

[Suurat-ul-Baqarah: 73]

E entre outros exemplos.

Mais do que um dos Profetas [também] veio com o milagre  do ressuscitamento dos mortos e os cristãos afirmam isso.

Quanto à transformação da vara [de Moisés] numa cobra, isso é [um milagre] maior do que ressuscitar os mortos. Sendo que os mortos, tiveram vida anteriormente, e a vida foi simplesmente devolvida a eles, ao lugar (isto é, ao corpo) aonde havia vida. Quanto ao transformar madeira seca (isto é, a vara de Moisés) em algo vivo que engolia paus e cordas, isso é de maior habilidade e mais extraordinário.

Quanto ao envio de uma mesa do céu [relativamente à história de Jesus], Ele – O Altíssimo – costumava enviar Al-Manna (uma substância tipo mel) e codornizes para eles (isto é, os israelitas) do céu, todos os dias:

وَظَلَّلۡنَا عَلَيۡکُمُ الۡغَمَامَ وَاَنۡزَلۡنَا عَلَيۡكُمُ الۡمَنَّ وَالسَّلۡوٰى​ؕ كُلُوۡا مِنۡ طَيِّبٰتِ مَا رَزَقۡنٰكُمۡ

“E vos sombreámos com as nuvens e vos enviámos Al-Manna e as codornizes (dizendo): ‘Comam das coisas boas [Licítas] que vos fornecemos.’”

[Suurat-ul-Baqarah: 57]

Ele – O Altíssimo – também faria com que a água brotasse da rocha:

وَاِذِ اسۡتَسۡقَىٰ مُوۡسٰى لِقَوۡمِهٖ فَقُلۡنَا اضۡرِب بِّعَصَاكَ الۡحَجَرَ​ؕ فَانۡفَجَرَتۡ مِنۡهُ اثۡنَتَا عَشۡرَةَ عَيۡنًا​ؕ

 قَدۡ عَلِمَ کُلُّ اُنَاسٍ مَّشۡرَبَهُمۡ

“E [lembrem-se] quando Muusaa (Moisés) pediu [a Allah] água para o seu povo, [Nós dissemos]: ‘Golpeia a rocha com a tua vara.’ Então jorrou [da rocha] doze fontes. Cada grupo de pessoas conhecia o seu lugar específico para [beber] a água.”

[Suurat-ul-Baqarah: 60]

Assim, esses milagres tem mais grandiosidade do que aqueles enviados ao Messias عليه السلام e os seus discípulos. Pois o doce [mel] e a carne [dos pássaros] tem um nível mais elevado [em seu tipo] e mais majéstico da demonstração do Seu poder, do que o que estava na mesa [de Jesus e dos seus discípulos] de azeitonas, peixe e entre outras coisas.

Mencionei a eles [o que deixa claro] que especificar o Messias com união divina e a reivindicação da divindade não tem nenhum ângulo de realidade .

Resumidamente o que pode ser mencionado sobre isso é algo do seguinte [relativamente às características de Jesus]:

  • as características ou são compartilhadas entre ele e outras criaturas;
  • ou são compartilhadas entre ele e outros Profetas e Mensageiros, embora alguns Mensageiros como Abraão e Moisés sejam melhores do que ele nesse aspecto.

Quanto ao facto de Jesus ter sido criado a partir duma mulher sem homem, a criação de Eva [a partir dum homem sem mulher] é mais surpreendente do que isso.

Pois ele [Jesus] foi criado a partir do ventre duma mulher, e isso é algo comum, em oposição à criação [de Eva] a partir da costela dum homem,  o que não é comum.

Portanto, não há nenhum caso mencionado sobre o Messias عليه السلام excepto que outro membro da descendência de Adão عليه السلام compartilha com ele a esse respeito ou em algo que é ainda mais grandioso. Assim, é absolutamente sabido que especificar o Messias [com divindade baseado em tais argumentos] é absolutamente fútil.

E se o que eles afirmam sobre o Messias é algo que seja possível, então não é específico [somente] para ele; e se é impossível, então não existe nele ou noutros além dele.”

Fonte: Majmuuh Al-Fataawaa (2/346).

Chaikhul Islaam Ibn Taymiyyah رحمه الله também disse:

“Por esse motivo, eu renunciaria o meu debate com os estudiosos dos cristãos, solicitando que mostrassem a diferença entre o Messias e outros [dos Mensageiros e Profetas] em relação à questão da divindade. Eles não seriam capazes de encontrar nenhuma diferença. Em vez disso, eu explicaria a eles que aquilo que Moisés trouxe de milagres é mais grandioso. Se os milagres fossem uma prova para reivindicar a divindade, então Moisés tem mais direito a ela.”

Quanto ao nascer sem pai, isso demonstra a habilidade do Criador, não que a criatura [assim criada] seja superior às outras.”

Fonte: Majmuuh Al-Fataawaa (15/228).

E todos louvores são para Allah e que os Elogios e as Paz de Allah estejam sobre o nosso Profeta Muhammah , a sua Família, os seus Companheiros  e todos aqueles que o seguem em retidão até o Dia do Julgamento.

Traduzido por: Abu Faysal Ali Alburtugaali.

127 Visualizações
Partilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Next Post

Livreto: Debate entre Chaikhul-Islaam Ibn Taymiyyah e os cristãos sobre a alegada divindade de Jesus

Dom Jul 19 , 2020
Nome do livreto: Debate entre Chaikhul-Islaam Ibn Taymiyyah e os Cristaos sobre a alegada divindade de Jesus. Autor do conteúdo: Chaikhul-Islaam Ibn Taymiyyah رحمه الله. Fonte: Majmuuh Al-Fataawaa (2/346) e (15/228) . Tradutor: Abu Faysal Ali Alburtugaali. 127 Visualizações PDF O ARTIGO Partilha!